PROFESSORES E ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA ESTÃO EM LADOS OPOSTOS DO BALCÃO.

Carissimo. A Escola Pública é um grande desafio…uma montanha de verba destinada a ela mas que não chegam aos alunos.
As Escolas Públicas estão lotadas de PROJETOS LOROTA. Apenas uma cereja carissima em cima de um bolo podre. O que precisa é devolver a escola pública aos seus verdadeiros donos…Os pais que pagam a conta e o aluno que recebe o serviço…Professor um prestador de serviço, sem desmerecer o trabalho do professor é que a profissão mais importante do planeta. Para se obter um bom trabalho o provedor tem que fiscalizar quem produz, de modo sério e firme.
O Problema da Escola Pública é basicamente esse.
A Prof Ruth Cardozo de saudosa memória e a Prof. Hebe Tolosa entre outras pessoas declararam em público que a Escola Pública de São Paulo recebe verba suficiente para manter um escola de primeiro mundo. Se a nossa escola é miserável não é falta de verba e nem de Projeto, embora seu projeto e seu sonho são muito bem vindos..

Ò problema meu jovem com pretensões partidárias legitimas, que Professor e Alunos está em lados opostos do balcão. Quem presta serviço vai estar sempre querendo trabalhar menos e ganhar mais, faz parte do nosso sistema capitalista e consumista, quem recebe o serviço se não puder cobrar é o caos. O caos que se tornou a escola pública..O que precisa é colocar o Professor no seu lugar. Honrada posição de trabalhador uma vez que recebe pelo seu trabalho, não de dono da Escola. De vítima e abnegada, uma pessoa que se dedica a cuidar dos filhos de pobres, aqueles que não tem grana para pagar uma boa escola. Vamos tirar o professor do altar, assim a gente não precisa colocar tanto jovem na cadeia.11781806_884503468288779_7129593853763981358_n

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “PROFESSORES E ALUNOS DA ESCOLA PÚBLICA ESTÃO EM LADOS OPOSTOS DO BALCÃO.

  1. Mauri

    Desculpe, mas discordo totalmente. Professores e alunos estão do mesmo lado, vitimas de um governo cujo objetivo é esse; fazer colocar-se a culpa no caos do ensino na pessoa do professor ou dos alunos.