ESCOLA ESTADUAL É BICO …

O Jornal Agora toca na ferida principal da Escola Pública de São Paulo. Se quase metade dos professores ganha por pouco mais de 2.000,00 e por conta disso tem outra atividade para completar o seu salário, alguma coisa está errada.

O professor ganha pela aula  qual que dá. Como se explica em uma Escola onde sempre tem ajla vaga e de monte,o professor temporário não consegue completar o salário que pretende ??Como explicar o professor não poder pegar toda aula vaga ??? Não é para isso que ele é contratado ?? Para não ter aula vaga ???

Para o professor temporário pegar aula vaga,não basta o efetivo faltar, ele tem que ficar com falta…Se o professor efetivo faltar e assinar o ponto o temporário fica de fora, o aluno sem aula, com professor temporário na escola.

Se o problema é esse então com uma singela fiscalização, o Governo de São Paulo pegaria os professores que assinam ponto indevidamente. Os professores temporários não precisariam fazer bico para completar o salário e os alunos não ficariam sem aula…

Estou colocando tudo no condicional. Se, mas a conta não fecha mesmo…Tem professor temporário querendo aulas para completar os seu salário tem aula vaga e tem aluno, só falta fiscalização. Fiscalização que com certeza não pode ser feita pela Supervisão. Seria impossível pedir ao colega supervisor que entregasse a sua colega que falta e assina o ponto. Amanhã ela pode vir  a ser Dirigente Regional uma vez que é cargo politico….A Supervisora não vai deixar sua cabeça a premio…Sabe-se lá o dia de amanhã. Tem tanta professora poderosa, mulher de gente poderosa…

Para desatar esse nó, só com uma fiscalização de fora e muita coragem Precisaria de um Governador que tivesse mesmo muita coragem . Escola Pública precisa urgentemente deixar de ser um cabidão de empregos…Só com ajuda dos pais e do povo…Que elas são muitas mas não sabem voar…1896937_1401503753444023_1475137040_n

Anúncios

Comentários desativados em ESCOLA ESTADUAL É BICO …

Arquivado em Uncategorized

Os comentários estão desativados.