Colhendo os amargos frutos da incompetência e da incapacidade.

Alguém tem dúvida que os criminosos de hoje são aqueles rejeitados pela escola pública de ontem ? Já tem pelo menos uns vinte anos que se expulsa lideres da escola pública porque eles dão trabalho e cobram. Claro que fora da escola não se transformam em pessoas boazinhas. Continuam rebeldes e lideram outros jovens que também não tiveram escola, lazer, esporte ,respeito e nem oportunidades

O Estado de São Paulo deu os piores exemplos, quando criou a Ronda Escolar, polícia militar no lugar de aulas de boa qualidade. Todo mundo sabe que criança e adolescente sem ter o que fazer e confinados vão dar trabalho, mais trabalho do que se estivessem tendo aula de boa qualidade que tomariam toda sua atenção.

Começou então a campanha de demonização do aluno. Aluno é o demônio e só com pancada se resolve o problema da indisciplina na escola, então PM neles. 

Policia não tem formação pedagógica, se forma para o embate com o crime e quando um policial perde  para um criminoso perde a sociedade. Na escola é diferente. Ensinar é a função muito difícil, não é para qualquer um. Tem que ter vocação. Ser professor é fácil, difícil é ser educador. O que um educador faz com o pé nas costas um professor sem vocação, sem carisma e sem magnetum não faz nem com reza brava.

Demonizando o aluno, responsabilizando a família pelo fracasso da escola, precisava de uma forcinha extra. O então Governador Geraldo Alckimin resolveu o problema colocando a Policia Militar dentro da escola. Como não temos alunos bonzinhos, quietinhos o suficiente, as escolas foram esvaziando e fechando.

São Paulo é o carro chefe da nação. Logo outros estados copiaram o erro e deu no que deu.

Agora estamos no rio tentando salvar a cidade que se afoga no mar de violencia. Sem resolver e sem parar de jogar jovem no crime.

Os educadores perderam espaço na escola pública. No lugar dele um imenso cabidão de emprego. Como numa construção, se priorizou o telhado e não se fez o alicerce. Escola deixou de ser do aluno. Passou a ser um prédio onde os apaniguados vão assinar o ponto e esperar a aponsentadoria.

O bom professor, aquele educador passou a ser mal visto. Como um trouxa. Se trabalhar ganha se não  trabalhar ganha para que trabalhar ?

Infelizmente, professor não é um  ser divino, que não precise prestar contas, é um ser humano. terrivelmente humano, endeusado pela imprensa. Na medida que se paparicou e se protegeu o mal professor se desprotegeu o educador e o aluno. Então para quem não faz nada qualquer salário é muito.

Deu nisso.Prisões superlotadas e jovens que mal entraram no mundo do crime e  estão condenados. Inocentes, doentes, drogatictos, pobres e inocente, junto com a alta periculosidade e a inteligência do crime organizado.Uma escola espetacular, mas do crime. Sustentada por  todos. 

Nesse caminho teremos que ter uma prisão em cada bairro.Um cemitério também.

Se Deus é brasileiro, agora ele apresentará uma solução, que do jeito que está, só Deus mesmo.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Colhendo os amargos frutos da incompetência e da incapacidade.

  1. Excelente, Cremilda! Vou copiar e colar. Um abraço!