QUEM PARTE E REPARTE, E NÃO FICA COM A MAIOR PARTE, OU É BOBO, OU NÃO TEM ARTE.

A escola pública emperrou de vez.As escolas paulistas e paulistanas deram o mau exemplo seguido por todo Brasil.

Lembro que a Prof. Ruth Cardoso reiteradas vêzes declarou que a verba era suficiente para uma escola de primeiro mundo. A ex-Secretária de Educação do Município de São Paulo, Hebe Tolosa Se exonerou do cargo alegando que saia perplexa. Essa declaração saiu em letras garrafais no Jornal Diário de São Paulo. Ela fez declarações bombásticas e disse ter entregado provas ao Ministério Pùblico.Então a roubalheira vem de longa data.
Sabemos que a Pasta da Educação recebe a maior fatia das verbas, que a escola pública além da  verba oficial recebe verba dos grandes bancos particulares e das médias e grandes empresas em geral.
Agora vêm o INEP e o IBGE, declararem que as escolas públicas estão melhores equipadas que as escolas particulares. Como assim ????Onde ???
É possível que receba verba suficiente para isso ou escola de primeiro mundo. Isso não quer dizer que as escolas estão equipadas.
Todo dia  tem aluno reclamando que as escolas são sujas e a merenda é miserável e de péssima qualidade.
Os professores que querem trabalhar reclamam da falta de estrutura e de material.
Ocorre que a corrupção no Brasil é endêmica. O que fomenta a corrupção é a falta de fiscalização. A Escola Pública não tem a mínima fiscalização. Tudo na mão da corporação
Os pais que pagam impostos estão sempre de fora, os poucos, usados de maneira escandalosa e sem nenhuma seriedade, são os pais de Conselho de Pais e Mestres. Nada mais espúrio.
Para piorar a situação vem o mito que professor é santo, abnegado, que nunca erra e que o problema da  escola são os alunos
Aluno em escola pública não é ninguém. Verba de ninguém é verba do mais esperto.
Quem parte e reparte e não fica com a maior parte, ou é bobo ou não tem arte.
Bobo esse pessoal não é mesmo, arte tem  de sobra.
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “QUEM PARTE E REPARTE, E NÃO FICA COM A MAIOR PARTE, OU É BOBO, OU NÃO TEM ARTE.

  1. Osmar José Paz Delmaschio

    Cremilda, quer um exemplo de dinheiro público jogado no lixo. Desse caso eu posso falar porque, conforme já disse aqui, trabalho na minha casa como técnico em informática. Vai aí o exemplo:
    Todas as escolas estaduais paulistas possuem uma sala de informática com computadores de primeira e um aluno jovem, pago para trabalhar lá para ajudar os professores. (Até aí tudo bem; parabéns também pela iniciativa de oferecer empregos para alunos da rede estadual). O problema começa no sistema que foi instalado nas salas de informática para gerenciar a Internet. Trata-se de um sistema horrível, onde a velocidade da Internet é praticamente nula e os alunos que são levados para terem aula lá, não tem a mínima possibilidade de usar a Internet. O Estado de São Paulo gastou milhões para montar essas salas e não há pessoas na rede capazes de saber que bastariam três ou quatro linhas de Speedy com velocidade de 4 megas cada para a sala funcionar perfeitamente e possibilitar uma Internet eficaz. Gastou-se milhões e não há uma pessoa capaz de ver isso dentro da rede. O que estão fazendo nas diretorias de ensino os ATPs de Informática . Eles são pagos para quê ? Será que de todas as diretorias de ensino do estado não existe um Atp que já sugeriu essa solução ?