Arquivo do dia: 05/02/2012

É CRIME. MAS SER FOR COMETIDO POR PROFESSOR DE ESCOLA PÚBLICA, PODE!


Vemos sempre alunos acusados de destruir um cestinho de lixo, desses de sala, ir parar na frente do juiz. Vemos também aluno que quebra uma vidraça da escola ser tratado como um criminoso comum que destrói o patrimônio público.
Divulgado como o problema da escola pública, aluno é o vilão da história e responsável pelo fracasso do ensino no Brasil e principalmente em São Paulo.
Já, quando é professor, PODE. Todo mundo fica cheio de receio e ninguém comenta a participaçao dos professores em destruição de livros e cadernos destinados a alunos.
Com certeza não são os médicos nem os engenheiros do serviço público envolvidos nesses casos de livros didáticos encontrados no lixo, em livrarias de sebo, ou prestes a serem descartados em oficinas de reciclagem.
São toneladas, quantias consideráveis, montanha de verba jogada no lixo.

Os professores reclamavam muito de falta de assistência. O governo, então, elaborou apostilas para unificar o programa e orientar os professores…
Mas eles não gostaram… diziam que estavam sendo engessados…
Não estavam. Nada impedia o professor de ensinar a mais do que estava na apostila, que pedia o mínimo do mínimo.
Fizeram uma montanha dessas apostilas e queimaram em frente da Secretaria Estadual de Educação em São Paulo. Ninguém foi preso como incendiário e nem como destruidor do patrimônio público.
Apareceu em Barueri-SP 8 toneladas de cadernos em branco destinados aos alunos de escola pública, cadernos prontos para virar pó. A imprensa vai lá, examina os cadernos e verifica que estão ótimos.
Mas fica por isso mesmo.

Agora é em Jaboticabal. De vez em sempre sai uma nota de uma cidade do Estado ou em São Paulo mesmo contando a mesma história.
Livros, apostilas e cadernos jogados no lixo.
Tudo que seria do aluno.
Se aluno não é nada, ninguém se preocupa muito…
Afinal, quem paga essa farra destruidora são os pais que não tem onde reclamar.
Quem usaria o material escolar são os alunos; e esses são o estorvo da escola pública.
Se quem comete o crime de desvio e destruição de patrimônio públic, é professor professor, então está tudo certo.
É crime para cidadão comum… mas professor PODE.

Quase 1.300 livros são despejados como ‘lixo’ no interior de SP
Livros didáticos são queimados em Analândia, SP

3 Comentários

Arquivado em Alunofobia, Impunidade, Professorinha-santa, Professorzinho-santo