Arquivo do dia: 17/12/2010

UMA QUESTÃO DE ATITUDE.

Vem aí o novo secretário de educação do Estado de São Paulo.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), confirmou que o reitor da Unesp, Herman Voorwald, irá assumir a Secretaria de Educação no lugar de Paulo Renato Souza.
Não vimos pela imprensa, que sofre de ALUNOFOBIA crônica, nenhuma referência a participação dos pais e alunos, justamente quem paga a conta, com os maiores impostos do mundo… alunos e seus pais são esquecidos.
A ênfase é dar um novo olhar nas queixas do professorado.
Hum… se foi isso mesmo que ele declarou, já sinto o mau cheiro daqui…
A queixa da elite ganaciosa é a de sempre, e as reividicações também: Menos trabalho (menos ainda) e maior salário. No popular, menos trampo e mais grana.
Os maus professores são a maioria… são banda podre.
Os educadores, capazes e sérios, estão mergulhos nesse mar de lama onde mal podem respirar.
Bem, vamos esperar…

P.S.: um vídeo dedicado ao novo secretário de educação de SP, o quel declarou que vai valorizar o professorado:
Aumento de salário não modifica mau professor.

4 Comentários

Arquivado em Eleições 2010, Professorinha-santa

“Prenda e Arrebente” – o projeto do senador Paulo Paim contra os alunos.

A pedagogia do senador Paulo Paim


O Senador Paulo Paim deve ser um negro diferenciado. Ele deve achar que a discriminação social no Brasil é menor que a discriminação pela cor. Ele nunca deve ter estudado em escola pública.
Não sabe que não existe aluno que agride professor… Existe professor despreparado, sem vocação, que quer alunos robotizados. Alunos que sofram todo tipo de violência sem reagir. Temos a tal ALUNOFOBIA um horror aos alunos de escola pública criado pela crença errônea de que professor é santo, abnegado e que nunca erra. Um anjo, um santo, que aterrissa no páteo da escola para fazer caridade aos pobres mortais.
Aluno que reage vira réu. A imprensa que mais padece de ALUNOFOBIA, ignora que aluno de escola pública é o futuro do país.
Que temos educadores em escola pública,temos. Mas é uma minoria; e estão angustiados com o rumo que a escola pública tomou.
Vem o Senador Paulo Paim e quer que se criminalize aluno rebelde, líder e que cobra aula de qualidade.
Esse é o tipo de aluno que poderia vir a ser um bom político e mudar a cara do país.
Os alunos líderes e que ousam reagir à agressão não sobrevivem na escola pública. São por conta do ECA enviados para as cadeias tipo Fundação Casa, antiga Febem de São Paulo. Tida como Unidade Educacional, o aluno é mandado direto para ela.
O ECA – Estatuto da Criança e Adolescente que tornou o adolescente sujeito de direitos e deveres. Mas, na prática, só lhe são cobrados os deveres.
Um adulto acusado de quaisquer crimes tem amplo direito de defesa, pode ter testemunhas a seu favor e pode reagir a assalto e à agressão…
Mas um aluno menor de idade não pode. Ele é mandado para outra Unidade Educacional (na teoria e no papel), mas que é uma cadeia mais feroz que cadeia de adulto. Por conta disso, o aluno tem a sua condenação de até 3 anos em regime fechado, alguns são condenados até no mesmo dia em que foi acusado.
O processo, que vai da escola para a delegacia, tem o andamento mais rápido do mundo.
Da delegacia vai para o Conselho Tutelar e, de lá para, o Juizado Especial da Vara de Infância e Juventude, rapidinho. Tem uma equipe especial para condená-lo.
Daí vem o Senador Paulo Paim, do PT, e quer atendimento policial para professores vitimas de agressões de alunos?
Projeto de lei do Senado PLS 191/2009, um projeto PRENDA E ARREBENTE, que já passou na Comissão de Educação no Senado Federal.
O PLS 191/2009 quer criminalizar a vitima, quer criminalizar o aluno.
O aluno que reage, revida e atinge o professor é raríssimo. A maioria da vezes, o aluno apanha e fica quieto. Na maioria das vezes, a diferença de tamanho também impede que aluno se defenda.
Já tem isso como agravante. Quase sempre o aluno que sofre violência física é menor que o professor.
Quando são do mesmo tamanho e adultos, o aluno até pode reagir, mas não pode ser defender da imprensa, que vem babando distorcer os fatos e transformar o professor em vitima.
Com todo poder da imprensa, ela pode tornar um santo em demônio, em segundos. No caso especifico da Rede Record de Televisão, ela usa a repetição de imagens truncadas; e informações distorcidas. Repete, repete e repete… até que consegue o que parece impossível: a mentira repetida um milhão de vezes fica parecendo verdade, sem nenhuma preocupação.
Então, o Senador Paulo Paim não sabe que tem nas escolas públicas policias destacados especialmente para defender os professores e levar aluno rebelde para a delegacia?
Paulo Paim, o Senador, não sabe que temos falta de polícia ostensiva nas ruas, mas se a professora chamar um policial vem a viatura para ela em questão de segundos?
Quero acreditar que o Senador Paulo Paim, quando elaborou esse projeto PRENDA E ARREBENTE, não sabia o que acontece nas escolas pública.
Esse senador negro não sabe que aluno em escola pública sofre todo tipo de violência? Independentemente de ter pele branca ou olhos azuis ou verdes? Basta ser rebelde, líder ou cobrar minimamente seus direitos…
Ser aluno de escola pública já e desvantagem… Se for negro e pobre, piora.
Temos um país com chuva de leis e seca de justiça.
Leis que não pegam, quando se trata de direito de aluno.
Essa lei do PRENDE E ARREBENTE, que é a lei do mais forte, pode até pegar.
Esse Senador Paulo Paim é mais um que tem a maior mais forte doença do Brasil: a ALUNOFOBIA…
Até quando vamos agüentar a insanidade de políticos assim? Só Deus sabe.

1 comentário

Arquivado em Bullying, Impunidade, Prêmio IgNóbil de Educação, Professorinha-santa