Arquivo do dia: 09/12/2010

Secretário de Educação de São Paulo presta contas na Assembléia.

A última vez que o Secretário de Educação de São Paulo foi na Alesp, ele distribuiu, entre as profissionais de educação, uma cartilha que depois ele enviaria também para as escolas. Era a cartilha dos Corvos, com uma pomba branca na capa… como tudo na escola pública, os abutres sendo tratado como anjos diáfanos.
Nessa cartilha, o secretário de educação de SP deu o tiro de misericórdia nas escolas públicas, permitindo que a escola suspendesse e expulsasse [transferisse] compulsoriamente os alunos.
As escolas esvaziaram…
Se a escola expulsa à revelia da lei e suspende aluno adoidadamente, imagina com uma cartilha oficial “autorizando” essa ilegalidade…
As escolas terminaram o ano com um montão de alunos nas listas e pastas… Mas, na sala mesmo, uns dez por cento de alunos apenas.
A Secretaria de Educação de SP Não deu mecanismo nenhum para o povo fiscalizar a escola.

Os Conselhos de Escola (alunos; mães e pais; professores; funcionários e direção) continuaram sendo uma quadrilha na maioria das vezes. Que um grupo de pessoas que se reúnem para violar a lei é uma quadrilha… não encontro outro nome mais suave.
A banda podre da escola pública ganhou uma força que não se podia imaginar nem em nossos piores pesadelos.
Os exemplos são as cinco escolas da Diretoria Sul 3, na Região de Parelheiros, São Paulo-SP. Não que seja só ali… todas as escolas da periferia de São Paulo – e nos bolsões de pobreza – estão dominados pela banda podre. Só que, ali, tem o caso que acompanhamos passo a passo da Escola Lucas Roschel Rasquinho, onde a banda podre colocou a diretora “para correr”, justamente a diretora que viera para moralizar a escola,.
Tudo dominado pela Banda Podre… e não foi falta de cantarmos a bola.

O atual secretário de educação se SP acertou pouco. Digamos que errou no atacado e acertou no varejo.
Acertou pouco… mas vamos pontuar.
Deu um jeito na lei que mandava professor temporário embora depois de um ano de trabalho… o professor teria que ficar um ano fora e depois voltar. Seriam 23.000 professores na rua. Com eles nem me preocupo tanto. Mas se são 23.000 professores na rua, quantos alunos ficariam sem aula?
Para contratar outros e ganhar R$ 7,00 por aula ficaria difícil.
Contratou estudantes de faculdade para lecionar a matéria que cursa na faculdade.
Só que esses professores estudantes só funcionam bem nas escolas onde a banda podre opera fracamente, onde a direção tem o mínimo de pulso, nas escolas ditas de excelência…
Os estudantes contratados, nas escolas da periferia, se contaminaram e também não fazem quase nada, como na Lucas Roschel Rasquinho, onde a maioria é muito bem orquestrada por uma meia dúzia que dominou a escola.
Nas escolas da periferia, ou a direção se faz de morta ou cai fora.
A maioria se faz de morta. Assina ponto uma vez por semana e deixa a escola não mão da Banda Podre, que deita e rola. O gato sai, os ratos fazem a festa. Nada mais natural quando se trata de seres humanos atuando sem nenhuma fiscalização.
É isso, ainda tem muito que falar na gestão desse homem que foi Ministro da Educação, com vasto conhecimento teórico, bem articulado politicamente, mas que não teve pulso suficiente para começar a limpa pelo quintal de sua casa. Ou seja: na própria Secretaria de Educação de SP.
Ficou ali meio esquecido, no ninho de cobras, onde tem também muita gente boa e bem intencionada. Mas os bons professores são uma minoria que, infelizmente, precisavam de um Secretário forte, firme e com muita coragem… Mas isto não aconteceu.
Espero que o secretário de educação Paulo Renato vá com Deus; e faça um bom trabalho onde for. Mas anoto que ele não deixou nem um pingo de saudade…
Estamos com o Coordenador da Cogsp, Senhor José Benedito, que faz o que pode e podemos dizer que é um homem probo. Veio de outra secretaria e não está com a boca torta pelo cachimbo… Mas, se não tiver ajuda, seu trabalho também vai acabar definhando e, com certeza, sua boca vai entortar também…
Vai com Deus secretário Prof. Paulo Renato de Souza…

1 comentário

Arquivado em Uncategorized