Arquivo do mês: novembro 2010

COMO FORMAR UM PROFESSOR TRANQUEIRA E DESESTIMULAR O EDUCADOR.

Uma faculdade não forma um educador. Ela forma um professor. Um educador nasce feito.
Educador é uma vocação. Um professor com vocação é um educador.Imaginemos um radialista formado na melhor escola de comunicação do mundo e que não goste de falar. Um engenheiro formado na melhor escola do mundo que não goste de cálculos.Um médico que não goste de ver sangue.
Nenhuma função triunfa sem que haja a vocação. Exceto a profissão de professor. A profissão de professor é a segunda melhor avaliada pelo povo. Envolta num manto, no mito que professor é santo, junta com a importância de sua função, mais a fraqueza dos últimos governantes a profissão mais importante do planeta se tornou inimputável.
A escola pública puxou a qualidade da escola particular para baixo e a violência e a corrupção para cima.
O único mecanismo que materia a escola pública no patamar que ela merece não existe.
Ninguém ousa fiscalizar a escola e toda vez que um professor é acusado de algo sério tem a operação abafa, aparecem milhares de pessoas para defende-lo. Os poucos casos que chegam até a imprensa é a parte ínfima no cotidiano das escolas.
O caso do professor acusado de bullying e de comandar um espancamento de um aluno que segundo o professor rebolava feito bicha é um caso exemplar. Ao invéz se ser punido ele foi promovido e efetivado como Coordenador Pedagógico na E.E.Adelaide Ferraz de Oliveira zona leste de São Paulo. Casos como este contaminaram a rede e inverteram valores importantes na escola pública.
O governo paga mal os professores temporarios que seguram a escola nas costas. Verdade. Sem vínculo eles trabalham além do limite da resistência para manter o emprego enquanto milhares de felizardos concursados ganham sem fazer nada quando não se aboletam em algum gabinete onde ficam esperando a aposentadoria.
Temos verba suficiente para termos uma escola de primeiro mundo. Verba que não chega nem nos alunos e nem nos professores que trabalham.
Concurso público não é garantia que o professor será um educador, uma vez que o concurso avalia o conhecimento do professor e não avalia o seu talento.
Provinhas, provas e provões também não.
Um professor que está cursando ou terminou o curso superior, já está avaliado pela faculdade onde faz ou fez o curso.
O que precisa mesmo é a avaiação continua desse professor na sala de aula.
Não adianta ter um monte de títulos e cursos se não tiver vocação
O professor tem que ser bem pago, mas tem que ser avaliado por quem usa os seus servços.
Quem sabe qual o professor que ensina bem e qual o professor que dá bons exemplos e respeita a todos é o aluno e seu pai. Justamente os alijados do processo de avaliação do professor.
O pai que reclamar de um professor pode ter certeza que seu filho caiu em desgraça e tudo que acontecer na escola, de ruim é culpa do seu filho….
Então vem mais uma prova domingo para avaliar o conhecimento do professor temporário que ganha sete reais por aula.
Nessa prova pede-se conhecimento de nível doutorando na matéria, para professores que nem siguer terminaram a faculdade.
A escola tem apostila que ampara e ajuda o professor a elaborar aula. Ponto. Palmas. O professor criativo enriquece aquela aula do jeito que ele quer.
Nenhuma diretora vai impedir o professor de dar uma aula criativa nem que acrescentou dados da apostila que tem que seguir. Ele fica desistimulado, quando vai ganhar uma merreca ao lado de professor concursado e imexivel que enrola e ganha dez vêzes mais que ele. Amanhã esse educador sonhador, faz o concurso e se encosta apodrecido pelo sistema e espera a aposentadoria sem fazer nada.
Não basta ter o domínio da matéria que vai ensinar. O Secretário de Educação quer que os temporários saibam o mesmo que um doutor na matéria.
Não se preocupa se o professor sabe ensinar. se é um educador, se a sua jornada de trabalho é cruel e desumana
Não se preocupa com o enorme contingente de concursados que não fazem nada.
Não se preocupa em criar um mecanismo onde os pais denunciem os abusos.
Não se preocupa em dar uma olhadinha de leve na folha de pagamento para ver quantos estão fora da escola ou de licença médica. Muitos estão de licença no estado e trabalhando fora. Estão doentes para a escola pública mas estão saudáveis para a escola particular ou para passearem nos shoppins da vida. Outros estão trabalhando doentes.
Então é hora de fazer uma reflexão.Hora de ouvir quem paga a conta e usa o serviço
Hora de criar uma Ouvidoria do Pais. Todos ganharemos com isso.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Tem vida inteligente em Portugal.


Vejam como um aluno de Portugal faz uma crítica inteligentíssima à ministra da educação de Portugal…

Diferentemente dos sindicatos portugueses que não querem nenhum tipo de fiscalização e nem de avaliação sobre o seu trabalho nas escolas públicas…

Veja o vídeo da ministra Isabel Alçada aqui:

Veja o vídeo do aluno gozando a ministra da educação de Portugal:

Veja o vídeo em que uma deputada socialista (Ana Drago) bate na mesa e impede a reposta da então ministra da Educação em 2008:

Comentários desativados em Tem vida inteligente em Portugal.

Arquivado em Boa Notícia

Professora morde aluno de 6 anos.


Professora pode ser indiciada por morder aluno de seis anos.
Pais acharam que marca no rosto do filho fosse batom
Do R7

Uma professora de uma escola particular de Brasília está sendo investigada acusada de morder um aluno de seis anos. A agressão foi confirmada pela docente demitida mais tarde.
Segundo os pais, que não querem de identificar, o menino chegou em casa com uma mancha no rosto parecida com marca da batom. Mais tarde, o filho contou que durante uma briga com um colega de classe, a professora levou uma mordida de um deles e, para revidar, mordeu a bochecha do garoto.
No início, eles acharam a história do garoto fantasiosa. E depois descobriram que se tratava de um caso de agressão dentro da sala de aula. A escola demitiu a professora, mas os pais resolveram tranferir o filho de colégio.

Veja o vídeo aqui.

Comentários desativados em Professora morde aluno de 6 anos.

Arquivado em Impunidade, Professorinha-santa

Desafio: onde estão os diretores das escolas públicas de SP?

Mais uma vez a Folha de São Paulo comprou o discurso oficial e informou mal a população paulista e brasileira. Não é verdade que apenas “25% dos diretores escolares paulistas são temporários” (jornal Folha de São Paulo, 27/11/2010).
Mais uma vez o jornalismo-chapa-branca do Fabio Takahashi não fez mais do papaguear o discurso oficial do governo paulista… e também dar voz ao presidente da corporação de diretores que estão muito bem acomodados neste sistema escolar que não passa de mero cabidão de emprego. Vejam o que disse o presidente do sindicato dos diretores, Luiz “não importa o que diz a lei” Gonzaga: “Como as condições de trabalho e os salários são baixos, o diretor fica procurando qualquer benefício possível. Se ele puder ir para uma escola melhor ou para um cargo de dirigente, ele vai”.

Dados da própria Secretaria Estadual de Educação de SP davam conta de que havia apenas 2.200 (dois mil e duzentos) diretores concursados em 2008!
Considerando que SP tem mais de 5.000 (cinco mil) escolas públicas paulistas, fica óbvio que haveria no mínimo 2.800 (duas mil e oitocentas) escolas dirigidas por “diretores” não concursados!!
Além dessa matemática elementar, ainda temos a farra das “remoções”: o diretor passou no concurso público para dirigir a “escola – A”, mas pede “remoção para a “escola – B”, que tem mais “´prestígio”… nessa “escola – B”, o cargo do diretor é a título “precário”, podendo ser afastado a qualquer momento, até mesmo por interesses políticos inconfessáveis!!!
Também existem os casos em que o “diretor concursado” é requisitado para prestar assessoria nos órgãos técnicos da Secretaria ou nos gabinetes dos parlamentares…
Uma estimativa conservadora dirá que não temos mais do que 700 (setecentos) diretores concursados exercendo a função na escola onde ele foi efetivado…

Conclusão: das mais de 5 mil escolas públicas estaduais paulistas, cerca de 4.300 (quatro mil e trezentas) estão sendo dirigidas por pessoas que foram “indicadas politicamente”.

P.S.:
1) Desafiamos o governo de SP a publicar o nome do diretor de cada uma da 5 mil escolas públicas estaduais, indicando se ele é concursado e em qual escola este diretor está “efetivado”.
2) Desafiamos a Folha de São Paulo a publicar os dados corretos sobre a real situação dos diretores das escolas públicas estaduais de SP. Também desafiamos a Folha a divulgar os estados brasileiros onde existe eleição direta para diretor de escola (Brasília, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul etc).
3) Desafiamos toda a imprensa paulista e brasileira a divulgar o caso da Diretoria Regional de Ensino de Araraquara –SP, onde foi demonstrado que havia fraudes em mais e 20 escolas; fraudes de diretores de escola em conluio com a própria diretoria de ensino.

6 Comentários

Arquivado em Impunidade, Prêmio IgNóbil de Educação, Professorinha-santa

Vice-diretora de escola incentiva agressão entre crianças em SP.


Mãe de aluna diz que vice-diretora de escola incentiva agressão entre crianças em SP

Polícia está investigando o caso junto com a vara da infância e juventude
Do R7

Simone Maria da Silva, mãe de uma aluna da escola Escola Estadual Andrelino Vieira disse que a vice- diretora do colégio incentiva estudantes que foram agredidos a revidarem. O caso foi registrado na delegacia da mulher de São Carlos, no interior de São Paulo.

A filha de Simone que tem nove anos bateu no rosto de uma colega e as duas foram para a direção.Na conversa com a vice- diretora a menina que recebeu o tapa foi orientada a dar um tapa no rosto da filha de Simone assim como ela fez com ela.

– Ela está influenciando as crianças a uma bater na outra, sendo que tem que separar, ensinar que é errado.

Simone diz que a filha é hiperativa e está sob tratamento. Ela conta que não foi a primeira vez que isso aconteceu e que a professora já falou para que um outro aluno revidasse uma agressão da menina.

***
Memória:
25/05/2010 – 23:57 – O bullying e a “pedagogia do tapa na cara”.
“O ideal é que tudo seja apaziguado com diálogo. Caso isso não seja possível, Beatrice aconselha o professor permitir, ao aluno que apanhou, dar a mesma quantidade de tapas no aluno que bateu. Nem um a mais, nem um a menos. O acordo deve ser supervisionado por um adulto”.
Adivinhem onde foi que publicaram tamanha bobagem…
Acertou quem disse que tal bobagem foi publicada no no blog da “panelinha do nassif” (blog com mais de 1.500 professores, e que expulsa mães e pais que defendem os alunos das escolas públicas).
Esta pedagogia do tapa na cara foi publicada pelo marido da autora, uma tal de Beatrice Bexter… ele ainda ressalta que “a educadora Beatrice Baxter” é “mestre em filosofia e especialista em epistemologia genética, teoria criada por Jean Piaget que estuda o processo cognitivo humano” (sic). Leia aqui (”O bullying nas escolas“, 25/05/2010).

5 Comentários

Arquivado em Impunidade, Prêmio IgNóbil de Educação, Professorinha-santa

A ESCOLA PÚBLICA TEM JEITO. FALTA TIRA-LA DA MÃO DA APEOESP.

Hoje, as 11h, na reunião com a COGSP (*), ficou claro que a E.E.Lucas Roschel Rasquinho está tomada pela banda podre. Isso por causa da falta de comando, principalmente do Dirigente da Diretoria de Ensino Sul 3. A reunião começou na hora marcada, com a diretora, um pai de aluno, um secretário da escola, a diretora o Dirigente e um funcionário responsável pela famigerada AVERIGUAÇÃO PRELIMINAR, averiguação que nunca averigua nada e sempre faz sua avaliação do lado do mais forte; e quase sempre o errado.
Meia hora depois da reunião começada, entram dois representantes da Apeoesp (sindicato de professores) e sete pessoas, entre eles professores, mães de alunos com interesse na escola, mas que não era o interesse comum.
A Apeoesp tentou fazer, ali, o que fez ontem na Diretoria de Ensino Sul 3, onde fez a maior algazarra, com apupos e vaias para a diretora que está atualmente no cargo, mas que está afastada por querer moralizar a escola… a banda podre não quer a moralização da escola.
Não sei o que a Apeoesp fazia ali, uma vez que os professores presentes representavam os ausentes no MAL, maus professores da escola.
Além de problemas pequenos e possíveis erros da diretora, que podem ser consertados, ficou muito claro que: a Apeoesp não quer que a escola ande.
O sindicato de professores quer a cabeça da diretora que colocou falta para as professoras grevistas…
A corporação de chegou ao cúmulo de dizer que quer a escola como era antes…
Antes, a escola era a “casa da mãe Joana”! A direção corrupta e violenta deixava os professores à vontade, no acordo tácito: você não vem na minha lancha eu não vou na sua prancha.
Declarado que querem a escola como antes, e ficou mal, voltaram atrás e disfarçaram…
O impasse continua…
A banda podre não quer a diretora Mathilde; e pressionaram muito depois da reunião o Secretário da Escola, que é também uma pessoa do BEM.
Querem uma direção escolhida pelo Conselho de Escola… É claro que bobos não são. Normalmente, os Conselhos de Escola, salvo raras exceções, são verdadeiras quadrilhas que se reúnem para violar a lei e elaborar Regimentos Internos criminosos, regimentos sempre contrários ao interesse dos alunos…

Então fica assim:
Para moralizar a escola, a Mathilde fica e os professores que não estão com ela saem.
Ou então entregam tudo para a APEOESP, para o mau corporativismo fazer dali o seu quartel general, onde vai imperar a política do quanto pior melhor… melhor para eles.
A reunião ficou muito clara: quando a Apeoesp viu que não ia ganhar nada no grito, ameaçava de ir ao Poder Judiciário…
Ficaram exultantes quanto descobriram que a Corregedoria Setorial de Educação entraria na investigação, o que nos preocupou. Se é bom para a Apeoesp, com certeza não é bom para a escola pública, para os pais e para os alunos.
Será que a Corregedoria Setorial da Educação está nas mãos da Apeoesp???

(*) COGSP – Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo

12 Comentários

Arquivado em Boa Notícia, Impunidade

Cremilda Dentro da Assembleia Popular – 24/11/2010.

O verdadeiro dono da escola

Cremilda Estella Teixeira, do Núcleo de Apoio a Pais e Alunos (Napa), não acredita que a situação da educação melhore a curto prazo no Estado. Em sua opinião, o governador eleito continua “ouvindo a corporação”. Ela lembra que “os professores são servidores, mas a corporação tomou conta da escola pública”, e quer que se “devolva a escola para seu legítimo dono, o pai de aluno”.

***

Posição clara

Mauro Alves da Silva, do Grêmio SER ” Sudeste, cobrou mais clareza na posição do governador eleito Geraldo Alckmin com respeito à situação da área da educação no Estado de São Paulo. [1) Eleição dirrta para diretor de escola; 2) Democartização das eleições dos conselhos de escola; e 3) Charter Schools – escolas com mais autonomia, administradas pela comunidade e com metas de desempenho…].

Vejam o vídeo do então candiadto Geraldo Alckmin falando sobre as “charter schools”:

O Programa Assembleia Popular é gravado todas as quartas na Assembleia Legislativa de São Paulo. Um resumo é publicado no Diário Oficial da Assembleia Legislativa de SP. E o programa é transmitido pela TV a cabo NET (canal 13) e pela TVA (canal 66) aos sábados, das 12h às 13h. O programa Assembleia Popular também pode ser assistido neste mesmo horário pela internet no seguinte endereço:
http://wwi.al.sp.gov.br/web/altv/alesp.asx

Comentários desativados em Cremilda Dentro da Assembleia Popular – 24/11/2010.

Arquivado em Impunidade, Professorinha-santa